sábado, 11 de abril de 2009

A PENÚLTIMA TENTAÇÃO DE CRISTO


Isto que vos vou contar não consta da teologia, pois o Vaticano anda mais ocupado em causas como o preservativo em África do que com a própria história que deveria consagrar cada vez mais a bíblia como um livro sagrado e mais abrangente.
Ora tal como os judeus mataram Lázaro, Scorsese matou parte da história de Jesus no filme 'A Última Tentação De Cristo'. Pois um relato omisso no filme era a prova viva e benéfica de todo um culto que hoje é marginalizado na sociedade contemporânea, o culto da droga. Na visão do realizador, Jesus apenas cai aos pés de uma vida como funcionário público, casado com Maria Madalena e com algumas directórias mijadelas fora do penico, nas quais nem a irmã de Lázaro escapou a apimentar a película com bolinha vermelha, que é o preservativo visual com que a TV se protege do HIV.
A verdade é que antes da última tentação, a da carne, Cristo teve por ordem cronológica a penúltima tentação. Havia na altura dois dealers a cirandar de volta do milagreiro mensageiro, cada um com o seu arsenal de substâncias que lhe poderiam levar a dialogar com o Pai. Eram eles Judas Iscariote e João Baptista.
Judas Iscariote era um rapaz pacato e um bom companheiro nas viagens precatórias que Jesus empreendia pela Galileia.E esse rapaz de família preparava mesmo as palestras com que o Messias orava às lautas audiências, era uma espécie de assessor de imprensa do partido cristão. No entanto, acabou por o atraiçoar com um repenicado beijo, o que dizem que levou Judas a enforcar-se com uma echarpe, mas eu sei que não foi assim. Iscariote alistou-se dias mais tarde nos Khmers Vermelhos ao serviço de Pol Pot, o maior pedófilo da Ásia a avaliar pela velocidade com que desfazia criancinhas. Esse bom rapaz tentava Jesus com axixe, erva, bolota, cavalo e na Páscoa também tinha cocaína da Venezuela que chegava em cabazes ofertados pelo Chavez juntamente com coelhinhos de chocolate e alguns Magalhães marados no vocabulário.
João Baptista era o estróina do pessoal. Jerusalém pouco lhe metia a vista em cima, pois deambulava todo o santo ano por raves realizadas na província. Era vê-lo acampado com as costas vergastadas pela GNR, junto à porta desses eventos. João vivia da gratidão do alheio, pois eram amigos. E também de algum malabarismo sedentário e de baptismos alucinantes. Baptista - mais conhecido por - o dealer judeu-, filho de Izacarias e de Isabel. O judeu aviava-se na sua aldeia natal de Aim Karim, de ácidos em vários formatos, comprimidos alucinogénicos, crack e tinha cocaína da Colômbia todo o ano para fornecer os seus afilhados e também a algumas filhas de Araão, foi um bom rapaz até perder a cabeça pela filha de Heroidas.
A realidade escondida por Scorsese, é que Cristo cedeu na penúltima tentação. E cedeu pela mão de João Baptista da qual recebeu um ácido em forma de cruz, que tomou e dividiu por seus apóstolos na última ceia. Desse legado existe hoje um culto realizado todos os anos, o 'Boom Festival' onde muitos dos crentes homenageiam hoje em dia o sacrifício do senhor, numa oração a que chamam Santíssima mocada.
Pensem então nesta verdade como uma versão redux da Última Tentação de Cristo, e se aderirem ao culto, não se esqueçam de beber bastante água. Agora vou procurar Judas Iscariote, é que, como já constataram, é Páscoa...