sábado, 7 de novembro de 2009

Music Go Music - O novo sonho americano.


Os Music Go Music, banda de L.A. Califórnia, acabaram de editar o seu primeiro trabalho “Expressions” nos Estados Unidos da América. Reunidos em volta do conceito de unidade musical e irmandade enquanto banda, este trio segura-se ao presente com tópicos bem antigos. O LP traz nos temas muitos músicos convidados e velhos fantasmas da Pop, do Rock, do Electro e do Disco-Sound a lembrar as idas épocas das sonoridades analógicas.

O sonho americano sempre se materializou mais facilmente na costa leste, nas quentes terras costeiras do sul da Califórnia onde as praias disfarçam a falta de talento a muitos canastrões e, onde nove letras acesas num monte servem de estrela guia a reis e servos da gleba.

L.A. sempre foi a cidade por excelência dos grandes actores de cinema, das grandes estrelas Rock & Roll, dos escritores novelescos de TV e até de proxenetas culturais, mas agora com os Music Go Music talvez se tenha aberto um nicho no deserto para as vedetas POP, pois é isso que Gala Bell, Kamer Maza e TORG são: uma banda com influências sarcásticas do frio nórdico europeu materializado nos anos 70 pelos Abba.

A música dos Music Go Music, dificilmente se encaixaria na banda sonora de Beverly Hills 90210 e os seus membros estão longe de se rever na sátira rockeira de “Californication” dos Red Hot Chili Peppers.
A banda apresentam-nos mesmo uma Califórnia rendida aos caprichos dos encantos da simplicidade da música como é exemplo o tema “Just Me” onde se vêm no vídeo os três membros do grupo ao lado dos quatro músicos convidados, Abi Gold, Lilith Fayre, A.S., & Haavik, trajados de um hippieismo pós-moderno a calcar nas colunas as bases mais simples do bê-á-bá da pop.

E realizando mesmo o impossível flirt de Kate Bush com os Erasure, chegamos a “Light Of Love”, primeiro single de “Expressions”, e que é o tema mais Abba, na voz, no piano, na guitarra e no ritmo e, música onde a banda se assume filha da velha matrona banda sueca.

No “Warm In The Shadows”, tema a citar o velho mundo de Donna Summer entre um Rock macio e um disco sound alternativo, a banda faz uma incursão de bom gosto às tabelas de dança dos anos 70 e culmina a dança com um refrão saudosista e delicioso.

Já o tema “Reach Out”respira o psicadelismo “Jesus Christ Superstar” rezando ao pedestal do Rock progressivo caído da banda sonora dos “Morangos Silvestres” de Ingmar Bergman. Fulminando mesmo as tripes ancestrais que vivem nos anais dos neurónios queimados de nossos antepassados, para dar vida a rituais de convívio mais em voga.

Depois temos Um Gospel electrico que serve de portal a “I Walk Alone” para uma odisseia pedante pelos caminhos palmilhados pelos The Carpenters ou The Supremes, com a curiosidade de neste tema, a banda parecer ter a voz de Jimmy Summerville enclausurada num canto remoto dos altifalantes.
Estas são as profecias que se podem escutar no Myspace da banda onde também se podem ver dois vídeos, já que o LP editado nos Estados Unidos só deverá chegar ao país das cinco quinas lá para o final do ano na melhor das hipóteses.

“Expressions” é composto por nove temas, todos eles a evocar do alto do púlpito o memorial do anti-sedentarismo de uma corrente que não pertence a ninguém. Pois a música POP é pária. Pode chegar da Austrália na base do planeta, da cabeça Manchester ou da cintura Califórnia onde os emergentes filhos de uma geração de difusos marginais, que saíram do nomadismo Hippie no famoso concerto dos Depeche Mode no Hollywood Bowl no longínquo anos de 1986, surgem agora para se imporem como esguios gatos da POP reciclada e transformada à velha máxima Peace & Love.

in rua de baixo