terça-feira, 5 de maio de 2009

O PAÍS DAS TERTÚLIAS E DAS PATACAS


As Lições do meninoTonecas que frivolamente são impostas com uma arrogância que aflora a politica a uma plástica salazarista e que aceitamos de ombros encolhidos, pois é isso que fazemos, aliás não sabemos fazer nós outra coisa já que somos um povo facilmente domável, uma herança dos tempos da inquisição que mais parece uma anedota de mau gosto, atingem o receptor no peito deixando triunfante o caçador certeiro.
Um excremento que o papel higiénico não apaga, que o sifão não digere da sanita e que a passos largos aproxima este país de um estado laico. Onde iremos no futuro trocar galinhas por pão numa troca directa e assistida das janelas do TGV pelos turistas, que muita piada irá achar aos indígenas. Teima em governar um país de tertúlias, a brincar aos simulacros de sismos e com um alerta a uma gripe “Suína”, quando a gripe há muito já afecta um povo, que levianamente recebe as notícias do dia-a-dia. Hoje são os clubes de futebol que não se podem inscrever no próximo campeonato nos escaparates da manhã e que provavelmente se irão arrastar pelos escaparates do dia. Quando quem deveria estar na berlinda era este governo, e nela fazer um providencial e sexy “table dance” para despir mentiritas e começar a falar a verdade.
Já que este governo é composto por pessoas de bem, pessoas como o Nuno Eiró como primeiro-ministro, o Castelo Branco como ministro das finanças, o Cláudio Ramos como ministro da administração interna, a Maya como ministra da educação e com a TVI como oposição. É este o baile peneirento onde dançamos, onde a arvore das patacas é o nosso erário público e a galhofa a nossa melhor solução para enfrentar a crise.